Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1 Mulher

até para nascer temos que dar a volta

1 Mulher

até para nascer temos que dar a volta

11.Jun.18

88ª Feira do Livro

d2ccda10db94c2b5d51beed10484c025-754x394.jpg

créditos

 

À semelhança de anos anteriores, este ano também fomos à Feira do Livro de Lisboa.

Tivemos uma sorte fantástica com o tempo, que nos permitiu "espreitar" tudo. Encontrámos um espaço melhorado, com uma vasta oferta de literatura, eventos (teatrinho para crianças, sessões de autógrafos e cinema) e uma zona de restauração bastante apelativa.

Foi no pavilhão dedicado a José Saramago (que assinala os 20 anos da atribuição do Prémio Nobel da Literatura), que fizemos as nossas aqusições:

ano_morte.jpg

créditos

Um tempo múltiplo. Labiríntico. As histórias das sociedades humanas. Ricardo Reis chega a Lisboa em finais de dezembro de 1935. Fica até setembro de 1936. Uma personagem vinda de uma outra ficção, a da heteronímia de Fernando Pessoa. E um movimento inverso, logo a começar: «Aqui onde o mar se acaba e a terra principia»; o virar ao contrário o verso de Camões: «Onde a terra acaba e o mar começa.» Em Camões, o movimento é da terra para o mar; no livro de Saramago temos Ricardo Reis a regressar a Portugal por mar. É substituído o movimento épico da partida. Mais uma vez, a história na escrita de Saramago. E as relações entre a vida e a morte. Ricardo Reis chega a Lisboa em finais de dezembro e Fernando Pessoa morreu a 30 de novembro. Ricardo Reis visita-o ao cemitério. Um tempo complexo. O fascismo consolida-se em Portugal. 

evangelho.jpg

créditos

 

terra_pecado.jpg

créditos