Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1 Mulher

até para nascer temos que dar a volta

1 Mulher

até para nascer temos que dar a volta

barreiras

comboio_historico_douro_foto_dr2504cf29defaultlarg

créditos

é bom estarmos na nossa zona de conforto? é! mas não chegamos a lado nenhum, disso tenho a certeza… aprecio estar “no meu comboio”, a usufruir da paisagem sem percalços, gosto mesmo muito, mas aqui e ali, quando sinto alguma lufada de ar fresco - e isso por vezes acontece - saio no apeadeiro, ou até mesmo com o comboio em movimento, arrisco e “vou com quase tudo”… mas se por algum motivo, o senhor da estação me inquirir demasiado, e entrar na minha zona de conforto sem que eu o tenha permitido, agarro-me à composição que estiver mais próxima, e tão cedo não desço, e por vezes não volto a descer, por vezes não desço nunca mais naquele lugar… aqui e ali ainda olho para trás, mas se ao fundo vejo o senhor da estação de bandeira na mão a acenar, olho imediatamente para a frente… usufruo a paisagem, ouço o barulho dos carris na linha, e vou… até um dia, num outro dia, quando voltar a entrar ar pela janela, eu tenha o desejo de o sentir no rosto... se, e só se, o "ar" não invadir a minha zona de conforto.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.