Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1 Mulher

até para nascer temos que dar a volta

1 Mulher

até para nascer temos que dar a volta

journaling durante a Pandemia

1_3LdprMO9wAIOr5y3_47CpA.jpeg

créditos

há uns bons 24 anos, trabalhei com um profissional da área médica, que me ensinou que o melhor para não me esquecer das coisas, era anotar tudo num caderninho, pelo que desde então adotei essa prática profissionalmente... na minha área de formação o caderninho chama-se diário gráfico, que é onde registo todas as ideias, faço esboços, e escrevo sobre o que me apetece (já vos falei aqui de alguns caderninhos)...o journaling surge na minha vida durante o confinamento, num momento de grande incerteza em que fui o pilar para os meus pais (já idosos) e para a minha filha, e claro, para mim (organizar equipas à distância não foi fácil, muito menos a inexistência de horários, para conseguir que a máquina começasse a funcionar)... considero esta prática, uma ferramenta com muito potencial... o objetivo principal é estares mais próximo do teu eu, de te organizares e criares alguma disciplina... o objetivo não é escreveres para o caderno ser lido, de todo, estás a escrever de ti para ti, e só.

o que podes registar?

- escrever três coisas pelas quais estás grata/o;
- objetivos/intenções para o dia;
- o que tornaria o teu dia feliz;
- reflexão sobre o que podias ter feito melhor hoje;
- o que gostavas de ouvir hoje?
- o que fizeste de bom pelo outro? e por ti?

- quais são os teus pontos fortes.

6 comentários

Comentar post