Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1 Mulher

até para nascer temos que dar a volta

1 Mulher

até para nascer temos que dar a volta

o indisponível

homem.jpg

o casado

tu conheces a situação, mas ainda assim arriscas porque és tratada como uma princesa, e com promessas de acesso ao reino dos céus, e tu ingénua acreditas, que efetivamente o senhor deixe a família por ti... mas pára para pensar, até pode acontecer, mas só se o casamento fôr uma tragédia, porque ninguém vai deixar a estabilidade do lar, os filhos, por uma aventura, até porque se é uma aventura funciona bem como tal, mas noutro registo talvez não. 

o filho da mamã

homem maduro e sem filhos, que vive na casa dos pais, e vive para a mãe... quem nunca ouviu dizer, que se o homem trata bem a mãe, também nos vai tratar de igual forma? todas nós! mas em tudo na vida tem que haver equilíbrio, e esse tratar bem, não pode transformar um relacionamento de 2 pessoas adultas, num de três.

o que não quer compromisso

homens solteiros, com ou sem filhos... tem tudo que aprecias num homem, mas não te assume... e porquê? ou não te @ma, ou está numa fase de transição entre relações, ou simplesmente só quer a parte boa de um "relacionamento", as chatices, família e amigos ficam fora, porque não tem qualquer interesse em nada disso.

o intermitente

é alguém que aparece na tua vida de vez em quando, é maravilhoso, e depois desaparece, e passado algum tempo surge de novo com mil justificações e mimos e desaparece, e anda neste registo enquanto tiveres paciência... esta pessoa tem obviamente uma relação estável, seja de casamento ou não (que te é omitida), e de vez em quando "vem arejar" contigo.

o aventureiro

homem casado, que "salta" de mulher em mulher, pelo seu próprio prazer, porque gosta de aventura... aborda as mulheres de forma muito direta.

 

Para não melindrar os homens que por aqui passam, convém dizer que cada um sabe da sua vida, e o que de verdade importa é que sejamos felizes, na "nossa verdade"... este texto é meramente uma apreciação não um julgamento, não julgo ninguém... escrevo o que sinto, e o que "talvez" possa ajudar outras mulheres, isso para mim é o mais importante, partilhar e se ajudar maravilhoso.

Todas estas situações têm um desfecho óbvio, ainda que muitas vezes não queiramos ver... em algumas nós não existimos, somos objeto de prazer, e para uma mulher ser tratada como objeto é horrível... há uma ou outra em que o próprio é claro nas suas intenções, e nós ainda assim insistimos, porque na nossa cabeça "somos a sua pessoa", não não somos! e naturalmente, haverá aqui e ali mulheres com perfis semelhantes.

4 comentários

Comentar post