Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1 Mulher

até para nascer temos que dar a volta

1 Mulher

até para nascer temos que dar a volta

uma carta para alguém

1005.jpg

Querido avô,

Depois do Monte da Maljulgada ter ficado só, foi despojado de todos os seus bens e fechado ao abandono... assim o quiseram os teus filhos. TU, pela força das circunstâncias, começaste a partilhar o dia-a-dia connosco, dividindo os meses entre a casa dos tios e a nossa. Os dias foram passando e TU, sem entenderes muito bem a ausência da avó e o porquê de não estares em tua casa, perguntavas várias vezes a quem estava junto a ti: onde está a mãe?, ao que todos respondiam –  a mãe está muito doente e foi levada para o hospital de Beja! Ficou internada e não sabemos quando regressa...

Esta falsa mentira durou o tempo necessário para não te magoarmos mais, enquanto conseguímos, pois já carregavas o peso da tua débil saúde.

As melhoras eram quase insignificantes, e tinhas dias melhores e dias piores. Foste emagrecendo gradualmente e ficando cada vez mais frágil. Até que um dia, já suspeitando da tardia ausência da avó, perguntaste onde estava ela, e porque tardava em regressar a casa. Insististe tanto - acho que inconscientemente tu sabias - faltava-TE somente a confirmação. A mãe morreu, disse-TE minha mãe.

 Agora que penso nesse dia, entendo que a partir daí, nesses quase dois anos e meio que vos separaram, tu simplesmente deixaste de lutar para estar entre todos os que te queriam tanto bem, e aos poucos foste caminhando em sua direcção.

A mãe e os tios tudo fizeram para que ficasses mais um pouco entre nós. Mas naquela fria madrugada de Fevereiro de 2003, partisTE em profunda agonia. Tiveste ao TEU lado nesse último suspiro, a tua grande amiga.

No dia anterior tinhas melhorado consideravelmente, comeste as refeições, levantaste-te da cama e até conversaste muito, coisa que já não acontecia há algum tempo. Para todos os presentes, este foi o teu ADEUS!

Quero dizer-vos que sei que estão a olhar por todos nós, “vivendo” tudo o que passamos por aqui, orientando-nos de certa forma pelo caminho que ainda temos que percorrer antes de nos encontrarmos. Sentimos MUITO a vossa falta! E acho que cada um de nós, à sua maneira, perdeu uma parte muito importante da sua vida. Eu perdi muito com a vossa partida, mas trago comigo todas as boas recordações do tempo que passamos juntos e de tudo o que me ensinaram.

Beijo cheio de saudade,

 

Texto no âmbito dos Desafios da Abelha

14 comentários

Comentar post